Inovação e sustentabilidade no setor agropecuário brasileiro brilham na COP 28

A 28ª Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 28), realizada em Dubai, foi palco de significativos avanços para o Brasil no setor agropecuário. No último domingo (10), o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) se destacou em diversos painéis, evidenciando sua dedicação à produção sustentável.

Roberto Perosa, Secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, participou ativamente em três debates cruciais, abordando temas de relevância global. Entre eles, o painel “COP para COP: Impulsionando o progresso na Declaração dos Sistemas Alimentares dos Emirados Árabes Unidos” ressaltou os avanços significativos na área, incluindo a redução do desmatamento e o papel vital da agricultura na segurança alimentar. O novo programa de recuperação de pastagens degradadas foi um dos destaques, alinhando-se aos compromissos climáticos do Brasil sob a liderança do presidente Lula.

A Reunião Ministerial do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) também contou com a participação de Perosa, onde foi debatida a integração agrícola regional e a troca de tecnologias e conhecimentos. Ele salientou o crescimento expressivo da agropecuária brasileira, impulsionado pela tecnologia e inovação, e destacou a contribuição da Embrapa no Programa Nacional de Conversão de Pastagens Degradadas em Sistemas de Produção Agropecuários e Florestais Sustentáveis (PNCPD).

O painel “Semeando Prosperidade: Ações do Setor Agroindustrial para Enfrentar Desafios Climáticos e Capturar Oportunidades” evidenciou a integração da sustentabilidade nas políticas do Mapa. Aqui, Perosa enfatizou o sucesso do Plano Safra e do Plano ABC+, ambos voltados para práticas agropecuárias sustentáveis.

Além disso, o Mapa teve uma participação notável no Painel Diálogos de Produção Sustentável. Marcel Moreira, diretor de Promoção Comercial e Investimentos do Mapa, destacou o sucesso brasileiro na produção de algodão, com ênfase na responsabilidade ambiental e sustentabilidade. O Brasil, com mais de 80% de sua safra de algodão certificada, se posiciona como líder mundial no fornecimento de pluma, graças às práticas que favorecem o sequestro de carbono.

A indústria da carne bovina também foi um ponto de destaque, com o Mapa e o setor privado trabalhando juntos para garantir a sustentabilidade e melhorar a rastreabilidade na pecuária. Marcel reforçou o compromisso do governo com a sustentabilidade no setor, destacando a colaboração para avançar na rastreabilidade e na transparência das cadeias produtivas. Ele também abordou o potencial do Programa Nacional de Conversão de Pastagens Degradadas, visando incorporar 40 milhões de hectares em áreas de agricultura sem afetar as áreas de vegetação nativa preservadas.

Esses painéis da COP 28 demonstram claramente o compromisso do Brasil com a inovação e a sustentabilidade no setor agropecuário, posicionando o país como um líder mundial em práticas agrícolas responsáveis e ambientalmente sustentáveis.

Avalie o Post post

Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo