conecte-se conosco

Destaque

Companhias aéreas estão perdendo US $ 84 bilhões este ano, diz IATA

Publicada

em

As companhias aéreas devem perder US $ 84 bilhões, já que a pandemia de coronavírus reduz a receita pela metade para marcar o pior ano da história do setor, informou a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) na terça-feira.

Com a maioria dos aviões comerciais atualmente estacionados, a IATA disse que a receita provavelmente cairá para US $ 419 bilhões, ante US $ 838 bilhões no ano passado.

“Todos os dias deste ano adicionarão US $ 230 milhões às perdas da indústria”, disse o diretor geral da IATA, Alexandre de Juniac.

A perda média é de quase US $ 38 por passageiro voado.

Em 2021, a IATA alertou que as perdas podem atingir US $ 100 bilhões, com o tráfego lutando para se recuperar e as companhias aéreas reduzirem as tarifas para conquistar negócios.

“As companhias aéreas ainda serão frágeis financeiramente em 2021”, disse De Juniac, prevendo uma concorrência “ainda mais intensa”.

“Isso se traduzirá em fortes incentivos para os viajantes voltarem aos céus”, acrescentou.

A IATA previu um aumento na receita de 2021 para US $ 598 bilhões.

As companhias aéreas estão contando o custo de semanas de perda de negócios, uma pilha de dívidas inchada por resgates e uma perspectiva de demanda diminuída.

O número de passageiros cai para 2,25 bilhões este ano, antes de subir para 3,38 bilhões em 2021, ainda mais de 25% abaixo dos níveis de 2019.

O rendimento, um proxy para tarifas, é visto caindo 18% este ano, contribuindo para um declínio de US $ 241 bilhões na receita de passageiros.

A carga, uma parcela relativamente pequena dos negócios em geral, trouxe algum alívio, pois o aterramento de aviões de massa elevou os aumentos de preços que devem chegar a 30%, disse a IATA, ajudando a receita a quase US $ 111 bilhões.

Mesmo em mercados onde as taxas de infecção por COVID-19 caíram acentuadamente, as companhias aéreas ainda enfrentam uma colcha de retalhos de restrições de viagens e consumidores cautelosos.

Uma quarentena de 14 dias para chegada de passageiros, introduzida pela Grã-Bretanha nesta semana, provocou uma resposta irada e ameaças legais da indústria de viagens em meio a relatos de que ela pode ser afrouxada em favor de “corredores aéreos” para alguns destinos.

5/5 - (1 vote)

Redação do Jornal Opinião Goiás. E-mail: [email protected]