conecte-se conosco

Brasil

Jornal Opinião Goiás – TransformaGov chega a 100 órgãos e entidades, gerando economia de R$ 820 milhões

Imagem/Freepik

Publicada

em

O Programa de Gestão Estratégica e Transformação do Estado (TransformaGov) já está presente em 100 órgãos e entidades federais. A Universidade Federal de Itajubá (Unifei) foi o centésimo órgão a aderir, na quarta-feira (10/11), à iniciativa do Ministério da Economia (ME) em parceria com a Secretaria Especial de Modernização do Estado (Seme) da Presidência da República. A marca foi atingida 18 meses após a sua institucionalização, que se deu por meio da publicação do Decreto n° 10.382/2020, de maio de 2020. As ações da Secretaria de Gestão da Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital (SEDGG), impulsionadas pelo TransformaGov, já geraram uma economia de mais de R$ 820 milhões aos cofres públicos somente em 2021.

“O TransformaGov busca tornar a gestão administrativa dos órgãos federais mais rápida, moderna, barata e eficiente, de forma a liberar recursos para outras áreas, sobretudo para a área finalística, que entrega valor diretamente ao cidadão”, afirma o secretário de Gestão da Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do ME, Cristiano Heckert. “Chegar a esta marca de 100 órgãos demonstra o quanto o governo está alinhado com as boas práticas de gestão; é um indício de que levar apoio técnico aos órgãos foi o caminho correto. Espero que esta adesão renda frutos para a modernização institucional da universidade”, comemora.

O programa TransformaGov oferece um pacote de ações e soluções de simplificação e modernização administrativa adaptado à realidade de cada órgão federal. O programa pactuou mais de 2100 ações com estes 100 órgãos, das quais mais de 45% já foram concluídas.

Entre as soluções que fazem parte do leque de iniciativas que compõem o TranformaGov, merecem destaque o Almoxarifado Virtual Nacional, o TáxiGov, a Plataforma +Brasil, o Painel Raio-X, o SEI, o Protocolo Digital, além de apoios na áreas de planejamento estratégico, governança, cadeia de valor, acesso a dados, redesenho organizacional, Programa de Gestão e gestão de pessoas, por exemplo. “Essas soluções reduzem os gastos da administração pública. O barramento, por exemplo, que integra os sistemas de processo eletrônico para permitir a tramitação digital de documentos entre órgãos federais, já integra mais de 110 órgãos. Isso gera uma economia em uso de papel, impressões, transporte e correios”, destaca Heckert.

Para André de Souza Monteiro, secretário de Modernização Institucional e Regional da Seme, o TransformaGov promove uma modernização da gestão. “Se nós não transformarmos a gestão pública, não há como entregar algo digital para o cidadão com qualidade e confiabilidade. É uma grande satisfação participar da assinatura deste plano com a universidade, que demonstra a clara intenção de buscar sua transformação”, disse Monteiro.

Já o reitor da Unifei, o professor Edson da Costa Bortoni, defende que o objetivo do governo com o TransformaGov é ajudar as instituições a desenvolverem e melhorarem a sua gestão. “Queremos uma gestão profissional e por isso, nós estamos aqui para assinar este plano com o ministério”, afirma Bortoni.

Rede TransformaGov

Além da implantação do portfólio de medidas de simplificação administrativa e transformação institucional no âmbito dos planos pactuados com os órgãos e entidades da Administração Pública Federal, a Seges tem ainda proporcionado um ambiente de cooperação interinstitucional entre órgãos e entidades federais  por meio da constituição de redes colaborativas nos estados, as chamadas Redes TransformaGov.

“Os resultados proporcionados nos 16 estados em que as redes já foram constituídas demonstram retorno altamente satisfatório com o compartilhamento de iniciativas e recursos entre órgãos federais, implementação das soluções de eficiência administrativa e intercâmbio de conhecimento para o aprimoramento da gestão”, disse Heckert.

Outro importante projeto, o Racionaliza, construído em parceria com a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) e a Secretaria de Gestão Corporativa (SGC), tem como principal objetivo a redução da cesta de custos de ocupação predial por meio da adequação no uso dos imóveis, próprios ou alugados. Ao todo, já foram registradas 138 iniciativas em curso ou concluídas nos estados em que as redes estão presentes e no Distrito Federal.

O ministério também está realizando, em parceria com a Escola Nacional de Administração Pública (Enap), uma série de cursos no âmbito do Programa Enap em Rede. Estima-se que sejam capacitados, até o fim de 2021, mais de 1000 dirigentes e servidores públicos.

Classificar post

Redação do Jornal Opinião Goiás. E-mail: [email protected]