Preços da alface caem bruscamente em dezembro, aponta Conab

No mês de dezembro de 2023, a alface, uma das hortaliças mais queridas pelos brasileiros para compor suas saladas, registrou uma significativa queda no preço médio, de acordo com o 1º Boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) de 2024, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) nesta segunda-feira (22).

Após uma alta no mês anterior, a alface teve uma diminuição no seu preço médio de 18,01%, chamando a atenção dos consumidores e comerciantes. Esse estudo, que é publicado mensalmente, analisa os preços de frutas e hortaliças em dez Centrais de Abastecimento (Ceasas) em todo o país.

De acordo com o levantamento, as maiores quedas de preços ocorreram na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), com uma redução de 29,69%, e na Ceasa/RJ, com uma queda de 11,21%. Esse declínio nos preços em São Paulo pode ser atribuído ao aumento no volume de alface comercializada em comparação com o mês anterior, que registrou um aumento de 10%. A Ceagesp é uma das principais influências nos preços médios entre as centrais de venda por atacado pesquisadas.

Por outro lado, em dezembro passado, houve um encarecimento no preço da batata comum (inglesa) para os atacadistas, com um aumento de 20,37%, pelo terceiro mês consecutivo. As maiores altas foram observadas na Ceasa de Vitória (28,19%), na Ceasa Minas em Belo Horizonte (26,10%), na Ceasa/RJ (25,02%) e na Ceagesp (23,68%).

O Boletim Hortigranjeiro de Janeiro de 2024 destaca que um dos fatores responsáveis pelo aumento nos preços da batata foi a maior procura pelo produto, especialmente em pratos de festas de fim de ano.

Outro destaque em relação aos preços de dezembro foi a cenoura, que apresentou aumentos em todas as Ceasas analisadas, com um crescimento médio de 18,78% em relação à média de novembro. O maior aumento foi registrado na Ceasa/GO, em Goiânia, com 30,75%.

Os preços do tomate também voltaram a subir em dezembro de 2023, com um aumento de 10,33% em relação à média de novembro, após vários meses de queda. As maiores variações de preço ocorreram na Ceasa/RJ (29,24%), Ceasa/AC (27,77%), Ceasa Minas (21,24%) e com a Ceagesp (17,75%).

Em relação à cebola, o aumento de preço foi menos pronunciado do que em novembro. Das dez Ceasas analisadas, quatro tiveram redução de preço, enquanto em cinco os preços subiram ainda mais.

Além das hortaliças, as frutas também se tornaram mais caras para os atacadistas. O boletim da Conab destaca que a banana encerrou o ano de 2023 com preços mais elevados e queda na comercialização, devido à entressafra nas regiões produtoras da fruta.

A caixa de laranja também teve um aumento no valor comercializado, resultado da diminuição da oferta devido às ondas de calor no centro-sul do país, juntamente com uma forte demanda no varejo, especialmente da indústria de sucos. Portanto, os preços no mercado internacional e para os produtores permaneceram elevados.

Os preços no mercado atacadista de maçãs, melancias e várias variedades de mamão foram afetados pela escassez de oferta. Além disso, a qualidade do mamão vendido também teve impacto na alta dos preços, conforme apontado pela Conab.

Os dados estatísticos do Boletim Prohort da Conab são coletados mensalmente em dez Centrais de Abastecimento localizadas em São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Vitória, São José (SC), Goiânia, Recife, Fortaleza, Rio Branco e Brasília.

Avalie o Post post

Mostre mais

# Gil Campos

Gil Campos é jornalista, publicitário e fundador/diretor do Jornal Folha de Goiás, Jornal Opinião Goiás e Agência Ideia Goiás. Fale com Gil Campos Whatsapp (62) 99822-8647 [email protected] [email protected] [email protected]

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo