conecte-se conosco

Brasil

Jornal Opinião Goiás – Produção industrial tem leve recuperação em janeiro

Publicada

em

A produção industrial brasileira cresceu 0,9% em janeiro de 2020, na comparação com dezembro de 2019, após dois meses seguidos de queda, que acumularam recuo de 2,4%. Na comparação com janeiro de 2019, o índice caiu 0,9%. Em 12 meses, a atividade industrial acumula perda de 1%. Os dados estão na Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, janeiro apresentou o avanço mais intenso desde agosto de 2019, quando o crescimento foi de 1%, com taxas positivas em três das quatro grandes categorias econômicas e 17 das 26 atividades.

Os bens de capital tiveram aumento de 12,6% na comparação com dezembro e de 3,9% em relação a janeiro do ano passado. A taxa interrompe o ciclo negativo iniciado em maio de 2019 e que acumulou queda de 14,8% no período.

O segmento de bens intermediários cresceu 0,8% em janeiro na comparação com dezembro, mas apresenta queda de 1,6% em relação a janeiro de 2019. Os bens de consumo duráveis cresceram 3,7% na comparação mensal e 1,7% na anual, após perda acumulada de 6,8% em novembro e dezembro.

Já o setor de bens de consumo semi e não duráveis recuou 0,1% em relação a dezembro e 0,5% na comparação com janeiro de 2019. Este é o terceiro mês seguido de queda. Com isso, o IBGE destaca que o setor industrial está 17,1% abaixo do nível recorde do país, alcançado em maio de 2011.

Atividades

Entre as atividades econômicas, as principais influências na comparação mensal foram de máquinas e equipamentos (11,5%), veículos automotores, reboques e carrocerias (4,0%), metalurgia (6,1%), produtos alimentícios (1,6%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (2,3%).

Também tiveram resultados positivos as áreas de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (6,2%), artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (6,5%), outros produtos químicos (1,7%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (3,0%), celulose, papel e produtos de papel (1,6%) e produtos de minerais não metálicos (1,8%).

Entre os oito setores que apresentaram queda na produção em janeiro, os destaques foram impressão e reprodução de gravações (-54,7%), o que anulou o crescimento de 92,2% de outubro a dezembro de 2019; e indústrias extrativas (-3,1%), que completou cinco meses seguidos de queda, com acumulado de -8,9% nesse período.

EBC. Os artigos são de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do veículo, sendo de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Continue lendo
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário em Login

Deixe uma resposta

TV Opinião Goiás