conecte-se conosco

Agricultura

Jornal Opinião Goiás – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento instala Comissão Executiva Nacional do Plano ABC

Publicada

em

Imagem/Freepik

Em dez anos, as tecnologias para agricultura de baixo carbono foram aplicadas em 52 milhões de hectares no país

A primeira reunião da Comissão Executiva Nacional do Plano ABC (CENABC) foi realizada na sede do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em Brasília. A instalação da Comissão é parte das ações do Plano ABC e tem por finalidade monitorar e acompanhar periodicamente sua implementação, além de propor medidas e realizar articulações entre os órgãos do Governo Federal, governos estaduais e municipais, conforme o Decreto nº 10.431, de 20 de julho de 2020.

Durante a reunião, foram destacados os avanços e resultados do primeiro ciclo do Plano ABC (2010-2010) e as perspectivas para a próxima etapa, com o Plano ABC + (2020-2030).

“O papel estratégico da Comissão está em pautarmos novos e mais robustas diretrizes aos desafios desta década. Para tal, serão reforçadas as estratégias de sucesso adotadas na primeira fase, focando no estímulo à adoção de sistemas, práticas, produtos e processos de produção sustentáveis, fundamentados sobre bases técnico-científicas”, declarou o presidente da CENABC, Cleber Soares.

O Plano ABC, realizado de 2010 a 2020, trouxe avanços ao demonstrar a capacidade de a agropecuária brasileira em ser sustentável, tornando-se a principal política global de mudança do clima no setor. A partir de seis tecnologias definidas como escopo de atuação (floresta plantada, recuperação de pastagens, plantio direto, FBN, manejo de dejetos, integração lavoura-pecuária-floresta), as metas estabelecidas foram superadas tanto em áreas abrangidas quanto em mitigação de gás carbônico.

Dos 35,5 milhões de hectares previstos, as ações envolvendo essas tecnologias foram aplicadas em 52 milhões de hectares, possibilitando a mitigação de cerca de 170 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente. A meta inicial era de 132 a 162 milhões de toneladas de CO2 equivalente.

Em sua nova fase, denominada Plano Setorial para Adaptação às Mudanças do Clima e Baixa Emissão de Carbono na Agropecuária 2020-2030 (ABC+), os esforços estão voltados para a consolidação de uma agropecuária nacional alicerçada sobre sistemas sustentáveis, resilientes e produtivos.

“Com o Plano ABC revigorado, retomamos a governança junto às instituições componentes do CENABC para a validação dos dados que serão gerados e avaliados na próxima fase do plano”, frisou a secretária-executiva da Comissão, Fabiana Vila.

Nesta nova fase, o fortalecimento da governança institucional, alinhada a sistemas de monitoramento e avaliação, permitirá a gestão integrada e acesso às ações adotadas em todo o território nacional, favorecendo a melhoria contínua do processo e contribuindo para a transparência das informações reportadas.

Participaram da primeira reunião da CENABC representantes dos ministérios do Meio Ambiente; e da Ciência, Tecnologia e Inovações; da Embrapa; do Banco do Brasil; do BNDES; da CNA; do Conselho Nacional de Secretários de Estado de Agricultura; e do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima.

 

Informações: MAPA

Redação do Jornal Opinião Goiás. E-mail: [email protected]

Continue lendo
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário em Login

Deixe uma resposta