Jornal Opinião Goiás – Mapa lança material didático para reforçar ação contra a peste suína africana

Apeste suína africana é uma doença contagiosa que devastou rebanhos na China, em outros países asiáticos e na União Europeia. Não tem cura nem tratamento e, quando diagnosticada, exige o sacrifício de todos os animais contaminados. A chamada PSA ainda não chegou ao Brasil nessa onda mais recente, mas casos foram confirmados no ano passado na República Dominicana e no Haiti.

Para proteger o rebanho suíno nacional, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) implementou medidas rigorosas de controle nas fronteiras, incluindo a fiscalização em aeroportos internacionais. Agora, acaba de publicar um material de caráter preventivo: o livro “Diálogos para a prevenção da peste suína africana” foi organizado pela Comissão de Educação Sanitária (CES), vinculada à Superintendência Federal de Agricultura de São Paulo (SFA-SP), a representação do ministério no estado.

O conjunto de material didático inclui cartazes, mensagens de voz, infográficos, mensagens de texto e postagens para redes sociais. O arranjo multimídia foi utilizado com sucesso anteriormente, nos diálogos sobre a fusariose da bananeira e sobre as boas práticas no uso de produtos veterinários. Essas duas obras foram lançadas no ano passado pela CES.

A comissão de educação sanitária reúne médicos veterinários, zootecnistas, engenheiros e jornalistas de instituições públicas e da iniciativa privada. O papel dessa comissão é estimular ações preventivas em torno da saúde única, um conceito que agrega a saúde animal, humana e ambiental com foco no desenvolvimento de políticas públicas que favoreçam o controle de enfermidades.

Além de orientações sobre a prevenção da doença, o livro traz um histórico sobre a PSA no mundo. O Brasil, por exemplo, já teve casos registrados entre 1978 e 1981. “O vírus foi introduzido por resíduos de alimentos de uma aeronave proveniente da região ibérica”, conta Juliana do Amaral Moreira Vaz, auditora fiscal federal agropecuária, coordenadora da CES e uma das autoras do livro. Ao todo, foram 224 focos no país, com 66.966 animais sacrificados e indenização de US$ 2,11 milhões. A declaração de país livre da doença só ocorreu em dezembro de 1984.

No prefácio, a superintendente federal de Agricultura de São Paulo, Andréa Figueiredo Procópio de Moura, lembra que é essencial a sensibilização de todos os atores envolvidos nesse processo. “A ideia é utilizar de forma didática a ferramenta mais poderosa e eficaz para o controle da doença no país: a informação.”

Para o professor Luís Fernando Zuin, da Universidade de São Paulo (USP), garantir a saúde única nos processos produtivos no campo será um dos elementos chave para a produção sustentável de um novo rural. “Este livro, com suas ações pedagógicas e materiais didáticos, vai ao encontro da concretização na prática pela busca diária deste novo rural. Com essa obra, buscamos prevenir a chegada da PSA no Brasil e nas suas propriedades rurais. É uma doença que tanto tememos por causa do seu enorme potencial de causar prejuízos financeiros e ambientais”, disse ele, que é um dos autores a idealizadores da coleção “Diálogos”.

Guilherme Zaha Takeda, chefe da Divisão de Sanidade dos Suídeos da Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa, lembra que a carne suína é uma das mais consumidas em todo o mundo e o Brasil se consolidou como um dos maiores produtores globais dessa proteína. “A peste suína africana ameaça a segurança alimentar de parcela da população que tem na criação de suínos uma alternativa de fonte alimentar e de renda”, afirmou. Para ele, o livro traz informações importantes para toda sociedade brasileira.

O livro está disponível neste link.

Classificar post
Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo