conecte-se conosco

Destaque

Conheça as fases da Doença de Alzheimer

Publicada

em

A Doença de Alzheimer (DA) é uma doença neurodegenerativa, progressiva e incurável. Antes mesmo da fase de doença, está descrita uma fase pré-clínica, em que sintomas sutis ocorrem, como por exemplo, lapsos de memória e dificuldades em gerenciar atividades ou tomar decisões mais complexas e sintomas depressivos. Essas alterações muitas vezes até passam despercebidas ou são atribuídas a alterações do envelhecimento normal.

Porém, diferente do envelhecimento normal, as alterações cognitivas evoluem de forma a afetar a funcionalidade. O impacto dos sintomas passa a ser notado e inicia-se a fase de doença propriamente dita.

Na fase leve, há déficits de atenção, memória imediata, dificuldades no trabalho ou tarefas domésticas, desorientação no tempo e no espaço (por exemplo, a pessoa pode se perder ocasionalmente e muitas vezes isso é um marco para a família) e alterações no humor. As atividades básicas e o autocuidado ainda se mantém preservadas ou levemente comprometidas.

Numa fase moderada, a pessoa já apresenta um prejuízo maior da memória, da atenção, do comportamento social e da capacidade de tomada de decisões. Existe um comprometimento progressivo das funções que permitem exercer sua autonomia na sociedade, necessitando de alguém que gerencie suas responsabilidades sociais e financeiras. Nesta fase, pode ocorrer maior dificuldade de controle de comportamento e humor. O autocuidado e as atividades rotineiras vão sofrendo prejuízo progressivo. Pode ocorrer prejuízo no reconhecimento de faces, dificuldade de fala ou discurso repetitivo, distúrbios de sono e alterações do hábito alimentar.

Na fase grave, o avançar da doença leva ao grave comprometimento funcional, com dupla incontinência (fezes e urina), a linguagem se torna progressivamente mais pobre, até o mutismo, e a pessoa mais restrita, com perda de mobilidade e total dependência. Nesta fase, principalmente, o cuidado deve ser rigoroso, pois a pessoa está predisposta a complicações inerentes à fragilidade grave e à imobilidade, como lesões por pressão, infecção urinaria e pneumonia. Surgem também dilemas que necessitam de decisão compartilhada, como a dificuldade de se alimentar.

No geral, o curso clínico da doença, ou seja, desde o início dos sintomas até a morte, dura cerca de 8 a 15 anos. Mas isto é variável. Depende de fatores individuais e genéticos, mas também do cuidado que a pessoa recebe. Um idoso bem cuidado, com uma família bem informada e amparada por um médico e uma equipe multiprofissional, com certeza vive mais e melhor. A abordagem deve ser individualizada e desde o diagnóstico, família e paciente devem ser preparados para a fase de fim de vida, com o entendimento gradativamente construído acerca da evolução natural da doença, até o processo de fim de vida. Ao paciente, enquanto lucido, na fase leve, deve ser dada a oportunidade de entender a sua doença, expressar os seus desejos e escolher o seu cuidador principal, que possa posteriormente assumir suas responsabilidades e respeitar os seus valores.

O Geriatra, juntamente com equipe multiprofissional, tem o objetivo de cuidar da pessoa com Doença de Alzheimer e de sua família, acompanhando e orientando as dificuldades, dúvidas e angústias. Com certeza, isso vai muito além de prescrever medicamentos. Afinal, o foco não deve ser a doença, mas a pessoa.

 

Projeto Cuidar

Geriatra

Dra Eliza de Oliveira Borges

CRM-GO 14388 RQE: 9751

 

Contato: (62) 3218-5034

Endereço: Viva Bem – Rua 132, nº 159, Setor Sul – Goiânia – Goiás.

CEP: 74935-210

Site: https://geriatriagoiania.com.br

 

Sobre a Dr a Eliza de Oliveira Borges

– Graduação em Medicina pela Universidade Federal de Goiás;

– Residência em Clínica Médica pelo Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO);

– Residência em Geriatria pelo Hospital de Urgências de Goiânia;

– Titulada em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG);

– Pós-graduação em Cuidados Paliativos pelo Instituto PalliumLatinoamérica / Medicina Paliativa, Buenos Aires- Argentina;

– Preceptora da Residência de Clínica Médica do Hospital Alberto Rassi- HGG;

– Integrante do Núcleo de Apoio ao Paciente Paliativo (NAPP), Hospital Alberto Rassi- HGG;

– Secretária Geral na Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia Seção Goiás.

Dra. Eliza de Oliveira Borges é geriatra e fundadora do Projeto Cuidar – Geriatria Goiânia (https://geriatriagoiania.com.br). CRM-GO: 14388 RQE: 9751. Os artigos são de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do veículo, sendo de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Continue lendo
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário em Login

Deixe uma resposta

TV Opinião Goiás