Jornal Opinião Goiás – Rabino israelense, ferido em ataque palestino, morre, diz hospital

Um rabino israelense morreu na segunda-feira de ferimentos de um ataque palestino ocorrido no dia anterior na Cisjordânia ocupada, no qual um soldado foi morto – um incidente que afetou a política israelense três semanas antes das eleições nacionais.

O rabino Achiad Ettinger, de 47 anos, era pai de 12 e morador de um assentamento judaico na Cisjordânia. Ele foi baleado no domingo pouco depois de o soldado ter sido esfaqueado até a morte em um cruzamento em uma estrada movimentada no território.

O agressor palestino usou o fuzil de recruta de 19 anos para atirar no rabino e feriu um segundo soldado antes de fugir em um carro sequestrado, disseram autoridades israelenses.

Uma porta-voz do hospital de Beilinson, perto de Tel Aviv, anunciou a morte de Ettinger. Ele era o chefe de um seminário religioso em Tel Aviv.

“O povo de Israel está de luto pelo assassinato do rabino Achiad Ettinger”, escreveu o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu no Twitter.

No domingo, o ministro da Cultura, Miri Regev, um dos partidários mais diretos de Netanyahu em seu Likud de direita, aproveitou o incidente para atacar seu adversário mais forte nas eleições de 9 de abril, o ex-chefe das forças armadas Benny Gantz.

Regev disse que Gantz, que lidera o partido centrista Azul e Branco, buscará o apoio de um legislador árabe acusado de incitar a violência palestina. Gantz acusou Regev de usar as mortes israelenses por “propaganda política”.

As forças armadas israelenses ainda estavam à procura do suspeito de ser atacado, identificado na mídia israelense como um palestino de 19 anos sem nenhuma filiação conhecida com uma organização militante.

Os palestinos, muitos deles indivíduos sem vínculos com grupos armados, realizaram uma onda de ataques na Cisjordânia no final de 2015 e 2016, mas a frequência de tais incidentes diminuiu desde então.

Israel capturou a Cisjordânia na guerra de 1967 no Oriente Médio. Os palestinos buscam estabelecer um estado lá e na Faixa de Gaza, com Jerusalém Oriental como sua capital. As conversações de paz israelo-palestinas entraram em colapso em 2014.

As tensões também têm sido altas ao longo da fronteira entre Israel e Gaza, onde palestinos realizam protestos semanais em apoio ao direito de retorno às terras em Israel de onde fugiram ou foram forçados a sair na guerra pela criação de Israel em 1948.

Na quinta-feira, palestinos no Hamas, governados por Gaza, dispararam dois foguetes contra Tel Aviv, sem causar danos ou feridos. Israel respondeu com ataques aéreos contra alvos do Hamas.

Os incidentes destacaram a segurança como uma questão eleitoral, com Netanyahu e Gantz se promovendo como os mais qualificados para defender Israel.

Mostre mais

# Anne Cardoso

Anne Cardoso - Editora, colunista e também responsável pela gestão das redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo