Jornal de Goiás – Produção de açúcar do CS recua 5,5% apesar de moagem histórica na 2ª quinzena de julho

A produção de açúcar do centro-sul do Brasil na segunda quinzena de julho somou 2,478 milhões de toneladas, queda de 5,5% ante o mesmo período do ano passado, com as usinas destinando mais cana para a produção de etanol, que tem remunerado mais.

A fabricação da commodity caiu apesar de uma moagem histórica de cana em uma quinzena, informou a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica) nesta sexta-feira.

A moagem aumentou 4,25% na segunda quinzena, para 49,7 milhões de toneladas, na comparação com o mesmo período do ano passado, com o tempo mais seco favorecendo os trabalhos em um período considerado o pico da safra.

A Unica afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que no passado o setor já registrou moagem de 50 milhões de toneladas em uma quinzena, mas com 12 usinas a mais em operação — muitas unidades têm sido fechadas por problemas financeiros.

A produção de etanol do centro-sul no período somou 2,65 bilhões de litros na última quinzena de julho, alta de 0,97% ante o mesmo período do ano passado.

As usinas do centro-sul destinaram 37,04% de cana para a produção de açúcar na segunda quinzena de julho, ante 38,35% no mesmo período do ano passado.

O diretor-técnico da União da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, ponderou que, apesar do avanço, “a moagem permanece atrasada no acumulado da safra.”

Até 1º de agosto, a quantidade de cana processada segue 2,75% abaixo daquela observada no ciclo 2018/2019, em 307,81 milhões de toneladas.

“Essa retração reflete a moagem no Estado de São Paulo, principal polo produtor de cana-de-açúcar do país, onde segue defasada em mais de 10 milhões de toneladas”, disse Rodrigues em nota.

Até o momento, o volume processado no Estado somou 179,51 milhões de toneladas, ante 190,52 milhões de toneladas em igual período da safra anterior.

Mostre mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo