CiênciaDestaqueManchetes

Jornal de Goiás – Os oceanos do mundo estão aquecendo em um ritmo acelerado, diz estudo

Cerca de 93% do excesso de calor - aprisionado ao redor da Terra por gases de efeito estufa provenientes da queima de combustíveis fósseis - se acumula nos oceanos do mundo

Os oceanos do mundo estão aquecendo em um ritmo acelerado, já que o aquecimento global ameaça uma gama diversificada de vida marinha e um importante suprimento de alimentos para o planeta, disseram pesquisadores na quinta-feira (10/01).

As descobertas na revista norte-americana Science, liderada pela Academia Chinesa de Ciências, desmentem relatos anteriores que sugeriram a chamada pausa no aquecimento global nos últimos anos.

A mais recente tecnologia mostra que esse hiato nunca existiu, levantando novas preocupações sobre o ritmo das mudanças climáticas e seu efeito sobre o principal amortecedor do planeta – os oceanos.

“O aquecimento do oceano é um indicador muito importante da mudança climática, e temos fortes evidências de que está aquecendo mais rapidamente do que pensávamos”, disse o coautor Zeke Hausfather, um estudante de pós-graduação do Energy and Resources Group da Universidade da Califórnia. Berkeley

Cerca de 93% do excesso de calor – aprisionado ao redor da Terra por gases de efeito estufa provenientes da queima de combustíveis fósseis – se acumula nos oceanos do mundo.

O último relatório baseou-se em quatro estudos, publicados entre 2014 e 2017, que forneceram estimativas mais precisas das tendências passadas no calor oceânico, permitindo aos cientistas atualizar pesquisas anteriores e aprimorar as previsões para o futuro.

Um fator chave nos números mais precisos é uma frota de monitoramento do oceano chamada Argo, que inclui cerca de 4.000 robôs flutuantes que “flutuam pelos oceanos do mundo, a cada poucos dias mergulhando a uma profundidade de 2.000 metros e medindo a temperatura do oceano, o pH , salinidade e outros bits de informação à medida que se levantam de volta “, disse o relatório.

Argo “forneceu dados consistentes e generalizados sobre o conteúdo de calor dos oceanos desde meados dos anos 2000”, afirmou.

A nova análise mostra que o aquecimento nos oceanos está acelerado com as medições do aumento da temperatura do ar.

E se nada for feito para reduzir os gases do efeito estufa, “os modelos prevêem que a temperatura dos dois mil metros mais altos do mundo subirá 0,78 graus até o final do século”, afirmou o relatório.

A expansão térmica – o aumento da água à medida que se aquece – elevaria o nível do mar a 30 centímetros, acima de qualquer elevação do nível do mar devido ao derretimento de geleiras e camadas de gelo.

“Enquanto 2018 será o quarto ano mais quente registrado na superfície, certamente será o ano mais quente já registrado nos oceanos, como era 2017 e 2016 antes disso”, disse Hausfather.

“O sinal de aquecimento global é muito mais fácil de detectar se está mudando nos oceanos do que na superfície.”

Avalie esta postagem
Tags
Mostre mais

# Danilo Borges

Danilo Borges é jornalista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo