DestaqueManchetesMundoPolítica

Jornais de Goiás – Von der Leyen promete reformas sociais e climáticas antes de votação crucial da UE

A indicada para chefiar a comissão executiva da União Europeia apresentou propostas de reformas econômicas, ambientais e sociais em iniciativa para angariar apoiadores num desanimado Parlamento Europeu que votará a confirmação da indicação da alemã ao cargo na terça-feira.

Buscando conquistar os socialistas, cujo apoio é chave para conseguir a maioria que precisa, a conservadora Ursula von der Leyen disse na segunda-feira que apoiaria a garantia de um salário mínimo europeu e a criação de um sistema de benefícios para desempregados.

Em cartas para os líderes liberais e socialistas da assembleia, ela também disse que regras orçamentárias da UE seriam interpretadas com mais flexibilidade e seriam remodeladas para uma postura mais favorável ao crescimento —postura que parece divergir das tradicional política de restrição fiscal da Alemanha.

Suas promessas parecem ter recebido o apoio de importantes membros de ambos os partidos.

“Estes são compromissos positivos que justificam nosso apoio na votação de amanhã”, disse o primeiro-ministro português, o socialista António Costa, no Twitter.

“Estamos esperamos que o debate parlamentar confirme e esclareça sua visão sobre os tópicos como coesão e desenvolvimento rural… e a necessidade de abordar a crise de habitação da Europa”, publicou Costa no Twitter.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, também socialista, publicou no Twitter que também apoiará a candidatura da alemã, mas que “continuará exigindo mais iniciativas sociais para a Europa”.

Margrethe Vestager, que era a candidata liberal para o principal cargo da Comissão, também falou em apoio a Von der Leyen, ao publicar no Twitter: “Parlamentares europeus: não percam a oportunidade histórica de tornar o equilíbrio de gêneros nos principais cargos da UE uma realidade.”

Se confirmada, Von der Leyen será a primeira mulher a liderar a poderosa Comissão, que supervisiona negociações comerciais, decisões antitruste e políticas abrangentes para 500 milhões de europeus.

A alemã anunciou nesta segunda-feira que irá renunciar a seu atual cargo como ministra de Defesa da Alemanha, mesmo se não for confirmada como presidente da Comissão. A chanceler alemã, Angela Merkel, disse respeitar a decisão.

Von der Leyen falará ao Parlamento em Estrasburgo na manhã de terça-feira. Parlamentares então realizarão um debate e uma votação para aprovar ou não, de maneira secreta, a indicação às 13h (horário de Brasília).

Ela precisa dos votos de 374 dos 747 membros do Parlamento para ser confirmada.

Tags
Mostre mais

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar