Especial com Flávio Henrique da Silva – Só os Loucos Sabem!

Você já se pegou viajando em algumas perguntas iguais estas? “será que este pensamento que estou tendo ou que acabei de ter é um pensamento louco ou é comum, será que todo mundo tem?”; “Ou porque eu tenho algumas vontades de fazer as coisas que são tão bizarras pra mim ou até mesmo perigosas para as pessoas, e para mim parecem normais?; Tais formas de se pensar, imagino, estão ligadas filosoficamente com as nossas vontades; que para Schopenhauer, a “vontade” é a expressão fenomenológica do ser humano; a força motriz de sua existência e razão de um sofrimento que vem a ser intrínseco à vida. Sendo assim, a única forma de se alcançar a “paz”, isto é, de esvair-se deste sofrimento, é superando-a [à vontade], através de seu aniquilamento.

Entretanto, não são todos os/as sujeitos que conseguem aniquilar suas vontades ou controlar seus pensamentos, vulgarmente são chamados de loucos, ou de pessoas com problemas espirituais graves, simplesmente doidos, mas a ciência médica avançou, ao ponto, de desenvolver inibidores (drogas) de pensamentos que, vejam bem, Silenciam as nossas angustias, não curam a nossa depressão que os transtornos de pensamentos que nos trazem, mas o avanço da medicina também trouxe outro status quo para a doença e acabou por gourmetizar perante a sociedade essa relação de poder, e esse marcador social da diferença, entre o sadio e são entre o normal e não normal agora somos pacientes de clinicas psiquiátricas, que estão em tratamento para superar Transtornos do Espectro Bipolar de afetividade Misto, no meu caso, na medicina é conhecido como F31-CD10-6 e F20. -6 CID-10. Esquizofrenia simples. Sendo assim, gostaria de embasar tais afirmações com vocês.

Voltaremos na reformulação da clinica, a partir da obra, O Nascimento da Clínica, de acordo com Michel Foucault, no início do século XIX a medicina se apresenta como medicina científica. Para isso Michel Foucault critica seu passado. E tenta mostrar como se deu essa organização do conhecimento médico. O Saber Clínico provocou no final do século XVIII uma mutação do saber médico, marcou o surgimento de uma nova gramática médica. CLÍNICA: Descrição médica: há condições não verbais da fala. OBJETIVO: “A medicina será o conhecimento do homem natural e social”, essa mudança da clinica, provocou inúmeras reviravoltas no âmbito da medicina, pois, a clínica agora se tornou um espaço de separação dos loucos e dos sadios, diferente como era feito com a Nau dos Loucos:

Nau dos Loucos, de Hieronymus Bosch (1450–1516)

Pouco mais de 19 meses iniciei meu tratamento psiquiátrico, nos primeiros meses tudo indo normal, sessões, remédios, comportamentos e pensamentos dentro de um padrão, mas a medicação foi aumentando e meus comportamentos também até tentar um suicídio e no inicio do mês fui internado numa “ Clinica”, mas comecei a observar não o meu comportamento mais sim o dos meus companheiros de viagens, e consegui 7 “entrevistas” , creio que posso chamar de uma etnografia que irei apresentar agora

NomeIdadeRaça/etniaTrabalhoReligiãoCidadeTranstorno
Itamar54PardoMotoristaEvangélicoRio Branco AcreDepressão
Luiz19PardoEstudanteEspiritaA/P GoiâniaTranstorno Bipolar
Junqueira29PardoPintorEvangélicoGoiâniaTranstorno Bipolar
Daivd22BrancoLava-jatoEvangélicoA/P GoiâniaEsquizofrenia
Fabio32NegroServiço geralEvangélicoJataiEsquizofrenia
Anuar44NegroTorneiro profissionalCatólicoGoianiraTranstorno Bipolar
Marcos34BrancoVendedorEspiritaJataiTranstorno Bipolar

Devido às dificuldades ao acesso do papel e do lápis para as anotações, tive limitações para desenrolar uma entrevista mais sinuosa, além, do forte esquema de segurança neste caso. Até a data da minha saída éramos 84, ou seja, 8,3% do geral falou comigo, em relação a religião é um fator muito presente lá dentro a cada momento tem um grupo louvando a sua maneira a o seu Deus, eu achei incrível particularmente, consegui perguntar 43 pessoas sobre a religião praticante o que dá 51% das pessoas e a maioria se diz evangélicas 30 pessoas.

Todos esses pacientes concordam com algumas coisas comuns, como por exemplo, o excesso de medicação e o tratamento por parte de alguns técnicos em enfermagem: cito aqui a fala de David: “A relação com os enfermeiros não é boa, fingem que não existimos” tal reclamação vai de encontro com a reclamação do senhor Itamar” o que é mais ruim aqui é a falta de atenção dos enfermeiros”

Essa falta de atenção é notória, pois existem pacientes que cuidam de outros pacientes, por fatores que até reconhecemos, mas qualquer coisa que solicitamos como abrir um armário eles viraram a cara pra gente e nos ignoram isso sem fala na supervisora e com as cozinheiras, é a verdadeira micro relação de poderes acontecendo ali na sua frente, e voe não pode fazer nada , pois, logo você recebe uma ameaça de ser AMARRADO, tenho muito a falar e muito a dizer, mas, Dizem que sou louco por pensar assim.  Se eu sou muito louco por eu ser feliz.  Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Eu juro que é melhor Não ser o normal.

Mostre mais

Flávio Henrique da Silva - Opinião Pública

Flávio Henrique da Silva, Professor, Colégio Einstein Junior, Inhumas Goiás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar