Academy of Science

Ciência: Genes defeituosos podem ser corrigidos em embriões humanos dizem pesquisadores

Ciência: Genes defeituosos podem ser corrigidos em embriões humanos dizem pesquisadores
Jornal Opinião Goiás
Ciência: Genes defeituosos podem ser corrigidos em embriões humanos dizem pesquisadores
5 (100%) 7 votes

Genes defeituosos podem ser corrigidos em embriões humanos dizem pesquisadores. O estudo foi liderado por Shoukhrat Mitalipov, da Oregon Health and Science University, nos Estados Unidos

05/08/2017 – 14:33:46

Na quarta-feira (2) a “Revista Nature” publicou um artigo descrevendo em detalhes como os pesquisadores modificaram genes humanos defeituosos gerando embriões humanos saudáveis ​​usando uma revolucionária técnica de edição genética – Crispr, que permite uma modificação precisa dos genes. O estudo foi liderado por Shoukhrat Mitalipov, da Oregon Health and Science University, nos Estados Unidos.

Agrande descoberta é particularmente importante porque indica que o genoma humano pode ser modificado para a correção de muitas doenças. O artigo da Revista Nature descreve que a técnica foi utilizada para corrigir uma mutação no gene MYBPC3, ligada à miocardiopatia miotrófica, uma condição genética hereditária que dificulta a circulação do sangue através do coração.

Os cientistas não curaram pessoas com a doença. Eles fertilizaram óvulos de 12 mulheres usando esperma de um homem com cardiomiopatia hipertrófica. Em seguida, injetaram uma enzima com Crispr, um mecanismo que funciona como uma “tesoura genética”, que cortou a seqüência de DNA mutada no gene MYBPC3 masculino, além de uma seqüência de DNA sintética.

Era esperado que o genoma do sexo masculino copie esta seqüência saudável na porção cortada porque é assim que o processo de edição de genes funciona em outras células do corpo e embriões de camundongos.

Dessa forma, o gene masculino copiou a seqüência saudável do gene feminino. Os pesquisadores não sabem por que isso aconteceu.

De 54 embriões, 36 permaneceram inalterados, uma melhoria significativa em relação às circunstâncias naturais da concepção, em que cerca de metade não teria a mutação. Outros 13 embriões também apareceram sem a mutação, mas não em todas as células.

A façanha já foi lançada pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) na semana passada. Com a publicação da “Nature”, no entanto, isso significa que a técnica foi aprovada pela comunidade científica, já que o artigo foi revisado por outros cientistas antes da publicação.

Sobre a Edição de genoma

As técnicas de edição do genoma humano têm sido buscadas por cientistas, uma vez que, teoricamente, isso indica que as condições genéticas não serão mais uma “sentença” ao longo da vida. Anteriormente, cientistas chineses relataram com êxito a edição de DNA humano, e outras equipes de pesquisa também pesquisaram o uso da técnica de correção de DNA em embriões.

Agora, melhorias importantes foram feitas para tornar a técnica mais segura. Os pesquisadores alertam, no entanto, que ainda há muito a considerar para a aplicação clínica da técnica – como a necessidade de reproduzir o mesmo em outras mutações genéticas.

Possíveis Implicações éticas

Editar o genoma antes do nascimento é um tema discutido há muito tempo na sociedade pela possibilidade de abuso no uso da técnica – como a correção de DNA para certas predileções estéticas ou de raça.

Um relatório recente da Academy of Science, Engineering and Medicine dos EUA argumentou que os cientistas não deveriam usar a técnica para ainda editar embriões antes da gravidez. O uso em laboratório, no entanto, foi considerado aceitável pela entidade.

 

Ciência, Saúde, Manchetes, Revista Nature, Crispr, Edição Genética, Shoukhrat Mitalipov, Oregon Health and Science University, Estados Unidos, EUA, USA, Academy of Science, Engineering and Medicine, Jornal Goiás, Notícias Goiás, Jornal Opinião Goiás 

 

Clique para adicionar o seu comentário

Deixe seu comentário: