Brasil

HRW adverte que persiste contexto que favoreceu zika no Brasil

HRW adverte que persiste contexto que favoreceu zika no Brasil
Imprensa
HRW adverte que persiste contexto que favoreceu zika no Brasil
Avalie esta postagem

Os problemas que permitiram que a epidemia de zika atingisse há dois anos o Brasil persistem, advertiu nesta quinta-feira João Guilherme Bieber, pesquisador da Human Rights Watch (HRW).

“O que importa e reconhecer que os problemas que permitiram que a epidemia de zika ocorresse há dois anos continuam a persistem. E preciso que haja investimentos e politicas governamentais que resolvam estes problemas. Não basta considerar que porque a emergência acabou o perigo desapareceu. Ele continua, a qualquer momento pode surgir uma nova epidemia’, destacou Bieber, durante a apresentação do relatório “Abandonadas e desprotegidas: O impacto da epidemia de zika em mulheres e jovens no nordeste do Brasil”.

Segundo o documento de 103 páginas, não responder aos problemas que contribuíram para a escalada da zika no Brasil “deixa a população vulnerável a futuras epidemias e a outras ameaças sérias à saúde pública”.

“A qualquer momento pode surgir outra epidemia”, advertiu Bieber.

Entre 2015 e abril de 2017, um total de 2.753 casos de zika foram registrados no Brasil, e mais de 3 mil estão sendo investigados.

“Descobrimos que o surto do vírus Zika no Brasil impactou desproporcionalmente as mulheres e as meninas e agravou antigos problemas de direitos humanos, incluindo o acesso inadequado à água e ao saneamento, as disparidades raciais e socioeconômicas no acesso à saúde e as restrições aos direitos sexuais e reprodutivos. Esses problemas existiam muito antes de o governo confirmar a transmissão local do vírus Zika. No entanto, o surto e a resposta nacional e internacional trouxeram atenção renovada a esses desafios de saúde pública e direitos humanos no Brasil”, destaca o relatório.

A Human Rights Watch analisou a questão dos direitos humanos através da lente do surto de Zika. “Nossa pesquisa encontrou lacunas na resposta das autoridades brasileiras que têm impactos particularmente prejudiciais sobre mulheres e meninas e deixam a população em geral vulnerável a surtos contínuos de doenças graves causadas por mosquitos”.

O vírus da zika, descoberto em 1947 em uma selva de Uganda com este nome, começou a se propagar em 2015 no nordeste brasileiro e rapidamente se converteu em uma epidemia explosiva que atingiu toda a América Latina.

 

AFP
Clique para adicionar o seu comentário

Deixe seu comentário:

Brasil
Imprensa
@opiniaogoias

Conteúdo da Imprensa