Tecnologia

Gigantes de tecnologia fazem campanha por neutralidade de rede nos EUA

Gigantes de tecnologia fazem campanha por neutralidade de rede nos EUA
Imprensa
Gigantes de tecnologia fazem campanha por neutralidade de rede nos EUA
Avalie esta postagem

Facebook, Twitter, Alphabet e dezenas de gigantes da tecnologia estão participando de um protesto online nesta quarta-feira contra mudanças nas regras de neutralidade da rede dos Estados Unidos, as quais proíbem provedores de banda larga de favorecer certos serviços de internet em relação a outros.

Em apoio ao “Dia da Ação na Internet Para Salvar a Neutralidade da Rede”, mais de 80 mil sites estão exibindo alertas, anúncios e vídeos curtos para incentivar o público a se opor à mudança de regras fundamentais estabelecidas em 2015.

A neutralidade da rede é um amplo princípio da internet que proíbe provedores de banda larga de oferecer ou vender acesso à internet rápida para certos serviços de internet em detrimento a outros. A regra foi implementada pelo governo Obama em 2015.

As modificações estão sendo propostas pelo líder da Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos (FCC, na sigla em inglês), Ajit Pai, e a população terá até meados de agosto para enviar comentários à FCC antes do voto final.

Pai quer que a comissão revogue as regras que classificam provedores de internet como de serviços de utilidade pública. Ele acredita que as regras abertas da internet adotadas na administração do ex-presidente Barack Obama são desnecessárias, e prejudicam geração de empregos e investimentos.

“A neutralidade da rede é fundamental para a competitividade, para a livre iniciativa, para entrada no mercado empresarial e atinge usuários pelo mundo. Você não precisa ser grande para competir. Qualquer um com uma boa ideia, com uma perspectiva única para compartilhar e com uma visão convincente pode entrar no jogo”, disse o Twitter.

Empresas como Netflix e Amazon exibiram mensagens no alto de seus sites ou postaram vídeos curtos explicando a neutralidade da rede, pedindo que os clientes enviem comentários à FCC.

A Associação da Internet, grupo que representa o Facebook, Google e outros grupos, disse que as regras estavam funcionando e que revertê-las “resultará em uma internet pior para os usuários e menos inovação online.”

Reuters
Clique para adicionar o seu comentário

Deixe seu comentário:

Tecnologia
Imprensa
@opiniaogoias

Conteúdo da Imprensa